top of page

Já percebeu como a tecnologia está transformando o sistema jurídico?

Em uma decisão sem precedentes, a Justiça do Trabalho do Rio de Janeiro adotou uma estratégia inovadora para localizar um devedor que se tornou insolvente. No caso concreto, o devedor, um proprietário de uma grande transportadora em São Paulo, é suspeito de usar contas de terceiros, conhecidas como "laranjas", para ocultar seus bens, uma prática ilegal de acordo com o Artigo 168 do Código Penal Brasileiro.

A Justiça pode usar a tecnologia para rastrear esses devedores astutos?

A magistrada responsável pelo caso determinou a expedição de ofícios para os aplicativos Netflix, Uber e iFood, bem como para Fintechs, empresas digitais de produtos financeiros, com o objetivo de obter o endereço de cadastro e o nome do proprietário do cartão de crédito registrado nessas plataformas. Esta decisão, que se baseia no poder de instrução do juiz previsto no Artigo 370 do Código de Processo Civil, é uma tentativa de rastrear o devedor, acreditando-se que essas informações possam levar ao seu paradeiro. Além disso, a juíza deferiu a suspensão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) do indivíduo e ordenou o recolhimento de seu passaporte pela Polícia Federal, medidas previstas no Artigo 139, IV do Código de Processo Civil como formas de assegurar o cumprimento de uma decisão judicial.

Este caso marca um marco na jurisprudência brasileira, mas o que isso realmente significa? Vamos explorar.

A decisão é vista como um marco na Justiça do Trabalho, pois representa uma nova maneira de localizar devedores que tentam se esquivar de suas obrigações. A medida inovadora tem sido elogiada por sua eficácia potencial na localização de indivíduos que tentam ocultar sua verdadeira situação financeira.
Este caso marca um marco na jurisprudência brasileira, demonstrando a adaptabilidade do sistema jurídico às mudanças tecnológicas e sociais.

Qual base legal para rastrear esses devedores no meio digital?

É importante destacar que a decisão está em conformidade com o Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014), que estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil. O Marco Civil da Internet, em seu Artigo 10, protege a privacidade dos usuários, mas permite o acesso a registros de conexão e acesso a aplicações de internet mediante ordem judicial, para fins de investigação criminal ou instrução processual penal.

Esta decisão representa um avanço significativo na forma como a Justiça passa a lidar com devedores inadimplentes. Ao utilizar a tecnologia para rastrear devedores, a Justiça está se adaptando aos novos tempos e garantindo que os direitos dos trabalhadores sejam respeitados. Esta é uma mensagem clara para aqueles que pensam que podem evitar suas obrigações: a Justiça está se modernizando e utilizando todas as ferramentas disponíveis para garantir que a lei seja cumprida. A inclusão de Fintechs e aplicativos de entrega e transporte nesta estratégia, aliada ao respeito ao Marco Civil da Internet, demonstra a evolução do pensamento jurídico em resposta à globalização da sociedade.

À medida que a tecnologia se torna cada vez mais intrínseca em nossas vidas e negócios, a complexidade das questões jurídicas associadas também aumenta. Aqui entra a importância de procurar a consultoria de um advogado especializado em direito digital, que possuem o conhecimento técnico e jurídico necessário para navegar nesse novo cenário, garantindo que os direitos sejam respeitados e que a justiça seja feita no mundo digital, seja para indivíduos ou empresas.





Assista o Vídeo:


_____________
Referências:
https://blog.verbojuridico.com.br/juiza-utiliza-netflix-uber-e-ifood-para-localizar-devedor-insolvente/

Comments


bottom of page