top of page

Alinhando a Saúde com a LGPD: 5 Passos Essenciais para a Conformidade

Atualizado: 14 de ago. de 2023


Na dinâmica atual da sociedade, temas como privacidade e segurança de dados se tornam cada vez mais preponderantes, e um público que precisa dar especial atenção a isso são os profissionais e empresários do setor de saúde. Nesse sentido, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), Lei nº 13.709, de 14 de agosto de 2018, configura um marco regulatório vital para todos aqueles que operam nessa área.

Este artigo pretende ser um guia para você que deseja alinhar a sua prática ou negócio na saúde à LGPD, elucidando a matéria de forma clara e objetiva. Apresentaremos cinco etapas essenciais para alcançar a conformidade com a referida lei, facilitando o seu entendimento e a sua implementação.

Através deste, buscamos não só transmitir um panorama geral sobre a LGPD no setor de saúde, mas também fornecer um roteiro prático e efetivo para a sua harmonização com este importante regulamento.

1. LGPD e Saúde: Uma Conexão Vital
A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) tem uma importância inegável em todos os setores que lidam com dados pessoais, mas talvez nenhum setor sinta tanto o impacto dessa legislação quanto o da saúde. Esta é uma área que, por natureza, coleta, armazena e processa uma quantidade massiva de dados pessoais e sensíveis, que vão desde informações de identificação pessoal até históricos médicos detalhados e resultados de exames.

A relação da LGPD com o setor da saúde pode ser explicada, principalmente, por dois fatores. Primeiro, a LGPD classifica os dados relacionados à saúde como "dados sensíveis" (Art. 5º, II), o que significa que eles estão sujeitos a uma série de proteções adicionais. O tratamento de dados sensíveis, de acordo com o Art. 11 da LGPD, só é permitido em circunstâncias específicas, como quando é necessário para a prestação de serviços de saúde, assistência farmacêutica ou assistência à saúde. Mesmo assim, o tratamento de tais dados deve ser feito de forma a respeitar os segredos profissionais e a segurança do titular.

O segundo fator é a necessidade de consentimento. Em muitos casos, a LGPD exige que as organizações obtenham o consentimento do titular dos dados antes de processar seus dados pessoais. No entanto, há exceções para dados de saúde quando o processamento é realizado por profissionais de saúde para a proteção da vida ou da saúde do titular ou da pessoa por ele indicada.

A importância dessas questões para o setor de saúde é amplificada pela natureza sensível dos dados envolvidos. Além disso, a adequada proteção dos dados pode resultar em melhores práticas de atendimento ao paciente, maior eficiência operacional e maior confiança do paciente na organização.

2. Gerenciamento de Dados na Saúde
Em um ambiente tão sensível como a saúde, a gestão correta dos dados pode ser um diferencial importante. A LGPD exige um mapeamento completo e consciente dos dados que são coletados e processados. Conhecer cada detalhe desse processo é essencial: quais informações são coletadas, a razão da coleta, como essas informações são utilizadas, onde e por quanto tempo são armazenadas.

Por exemplo, no âmbito de uma clínica médica, os dados coletados podem variar desde informações pessoais básicas, como nome e data de nascimento, até informações extremamente sensíveis, como histórico de saúde, resultados de exames, diagnósticos e prescrições. O motivo da coleta desses dados é claro: fornecer o melhor atendimento possível ao paciente. Esses dados podem ser usados para acompanhar o histórico de saúde do paciente, personalizar tratamentos, ou, em casos mais gerais, realizar estudos epidemiológicos.

Além disso, em situações em que esses dados são compartilhados, seja com outros profissionais de saúde para uma segunda opinião, laboratórios para análise de exames, ou com operadoras de plano de saúde, é essencial estar ciente de quais informações estão sendo compartilhadas e com quem.

Conforme estabelecido no Art. 9º da LGPD, o titular tem o direito de acessar suas informações pessoais, conhecer a finalidade de sua utilização, a forma e a duração do tratamento. Portanto, ao mapear o ciclo de vida dos dados em sua organização, você estará garantindo não apenas a conformidade com a lei, mas também promovendo uma cultura de transparência e respeito ao paciente.

3. Conscientização e Treinamento: Chaves para a LGPD na Saúde
A conscientização e o entendimento da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) por todos, desde o recepcionista até o médico chefe, são imprescindíveis para garantir a conformidade com a lei e a proteção dos dados sensíveis com os quais lidam diariamente. Desta forma, cada membro da equipe desempenha um papel vital na proteção dos dados dos pacientes.

Consideremos um exemplo prático: um recepcionista em uma clínica médica pode coletar dados pessoais dos pacientes quando eles chegam para uma consulta. Este profissional deve saber como coletar, registrar e armazenar esses dados de acordo com a LGPD. Eles também devem saber como responder se um paciente solicitar acesso às suas informações pessoais, um direito garantido pela LGPD.

Os médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde que lidam com informações mais sensíveis, como históricos médicos e resultados de exames, precisam estar cientes de como lidar corretamente com esses dados.

A LGPD, no Art. 47, ressalta a importância do papel do controlador de dados em adotar medidas de segurança apropriadas. Isso pode envolver a criação de protocolos para evitar acessos não autorizados, bem como medidas para lidar com incidentes de segurança, como a perda ou alteração não intencional de dados.

O treinamento de todos os membros da equipe é, portanto, uma etapa fundamental para garantir a conformidade com a LGPD. Isso não apenas permite que cada indivíduo entenda as implicações de suas ações no manuseio dos dados, mas também cria um ambiente de trabalho mais seguro e confiável, tanto para os profissionais de saúde quanto para os pacientes.

4. Garantindo a Segurança dos Dados na Saúde
No âmbito da saúde, lidar com dados sensíveis é uma rotina. Portanto, a implementação de medidas de segurança robustas, como descritas no Art. 46 da LGPD, se torna um passo crucial para proteger essas informações e manter a integridade do serviço prestado. Tais medidas podem variar desde o uso de firewalls e criptografia de dados até a definição de restrições de acesso e políticas de senha eficazes.

Por exemplo, uma clínica médica pode adotar medidas de segurança como firewalls e softwares antivírus para proteger sua rede de ataques cibernéticos que poderiam comprometer os dados do paciente. Além disso, o uso de criptografia ao armazenar ou transmitir dados do paciente pode ajudar a proteger contra o acesso não autorizado.

Restrições de acesso são também fundamentais. Nem todos os membros da equipe necessitam acesso a todas as informações do paciente. Por exemplo, enquanto um médico pode precisar de acesso ao histórico médico completo do paciente, um recepcionista pode precisar apenas de informações básicas, como nome e data de consulta. A restrição de acesso a dados sensíveis com base no papel desempenhado na organização pode ajudar a minimizar o risco de exposição de dados.

Finalmente, uma parte fundamental de qualquer estratégia de segurança de dados é um plano de resposta a incidentes. Na área da saúde, em caso de violação de dados, a resposta rápida e eficaz pode minimizar os danos e garantir que o impacto no atendimento ao paciente seja o menor possível.

Garantir a implementação dessas medidas, portanto, se torna uma peça-chave na proteção dos dados na saúde e no cumprimento da LGPD.

5. Um Aliado Vital na Saúde na Era da LGPD
Na era da informação em que vivemos, os dados são um ativo valioso, e a necessidade de protegê-los é de suma importância, especialmente no setor de saúde, onde os dados são extremamente sensíveis. Para auxiliar nesta tarefa de proteção e adequação à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), o papel de um advogado de proteção de dados é vital.

O trabalho deste advogado especializado não se restringe apenas ao entendimento da LGPD, mas também à compreensão das leis correlatas e de como elas dialogam entre si, garantindo uma interpretação completa e apropriada para cada situação. A expertise jurídica é imprescindível para decifrar a aplicabilidade, limites e possíveis intersecções de várias normativas legais.

Por exemplo, no setor de saúde, as instituições lidam com uma quantidade substancial de dados pessoais sensíveis, tais como informações genéticas ou sobre a saúde de um indivíduo. Estes dados são considerados "sensíveis" pela LGPD e exigem proteção adicional. Além disso, estas instituições também devem levar em consideração outras regulamentações como o Código de Ética Médica e a legislação do Conselho Federal de Medicina.

Neste contexto, a atuação de um advogado de proteção de dados pode ser crucial, uma vez que pode orientar a instituição de saúde em como lidar adequadamente com dados sensíveis, garantindo o cumprimento não apenas da LGPD, mas também de outras normas e regulamentos relevantes.

Em conclusão, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) representa uma importante transformação na gestão de dados pessoais, especialmente na área da saúde, onde as informações são sensíveis e têm um impacto direto na vida das pessoas. A conformidade com a LGPD não é apenas uma obrigação legal, mas uma oportunidade para as organizações de saúde reafirmarem seu compromisso com a privacidade e a segurança dos dados de seus pacientes.

A adequação à LGPD envolve uma série de etapas fundamentais, desde o mapeamento e gestão do ciclo de vida dos dados, a formação e conscientização da equipe sobre as implicações práticas da lei, a implementação de medidas de segurança robustas para a proteção de dados, até a contratação de profissionais especializados em proteção de dados.
Particularmente, a atuação de um advogado especializado em proteção de dados é um recurso valioso para qualquer organização de saúde. Este profissional possui a expertise necessária para interpretar a LGPD, bem como outras leis correlatas, e orientar a instituição no tratamento adequado dos dados pessoais de seus pacientes.

Acima de tudo, é importante lembrar que a adequação à LGPD é um processo contínuo, que requer monitoramento e ajustes constantes. Em um mundo cada vez mais digital e interconectado, a proteção de dados deve estar no centro das operações de qualquer organização de saúde. E como advogados especializados na área, estamos aqui para auxiliar nessa jornada, garantindo que a conformidade com a LGPD seja alcançada e mantida.

Lembrando que esta é uma área em constante evolução, e o papel de um advogado é estar sempre atualizado, acompanhando todas as alterações e novas regulamentações. Assim, podemos assegurar que nossos clientes estejam sempre em conformidade com a lei, garantindo a proteção dos dados pessoais de seus pacientes e a continuidade de seus negócios.

Na jornada para a conformidade com a LGPD na área da saúde, lembre-se: a proteção de dados não é apenas uma exigência legal, é um pacto de confiança com seu paciente. Juntos, podemos transformar este desafio em uma oportunidade de reafirmar esse compromisso e fortalecer a confiança depositada em nossos serviços.




Assista o Vídeo:


Comments


bottom of page